14590839789745

Não é Rodrigo Santoro, nem Rodrigo Lombardi. O personagem principal e centro das atenções de “Velho Chico” é mesmo o Rio São Francisco. Quem garante é o autor Bruno Luperi, que escreve com Edmara Barbosa a trama banhada pelas lendárias águas.

Ele é um protagonista. Não é cenário, mas o alicerce da história. Sem o rio, a trama não aconteceria. Ele é uma benção, água que corta o sertão. Um presente para o Brasil, enumera Bruno.

A devoção ao velho Chico não é restrita apenas aos ribeirinhos. Atores que gravaram em suas margens e águas colecionam histórias.

 A energia espiritual que tem naquelas águas eu jamais senti. O perfume é diferente e o cabelo fica maravilhoso! Trouxe dois litros da água para o Rio, conta Bárbara Reis, de 27 anos, a Doninha.

 Na pele de Eulália, Fabíula Nascimento, por sua vez, nunca imaginou que tomaria banho no São Francisco.

 No final de cada dia de trabalho, tínhamos o rio na porta do set de gravação. Nadávamos como peixes,  recorda a atriz de 37 anos.

Com apenas 9 anos, Isabella Aguiar, a Tereza criança, diz que “dá para ver peixinhos do tamanho do dedo indicador”:

 No dia em que eu gravava com Lucca Fontoura (o Cícero criança), tinha um arco-íris que terminava bem atrás de nós, na beira do rio, nas pedras onde gravamos destaca, toda empolgada.

  Estar nessas águas não foi novidade para a baiana Cyria Coentro, a Piedade. A atriz de 49 anos já viajou pelo rio levando espetáculos para o interior do estado. Mas, dessa vez, a sensação foi diferente:

Numa folga, nadando com amigos, cantamos “É D’Oxum”, de Gerônimo e Vevé Calazans. Ao mesmo tempo, sentimos um forte cheiro de alfazema. Foi mágico.

O mesmo ocorreu com Júlio Machado, o Clemente.

Eu tinha 12 anos no meu primeiro encontro com o São Francisco e o contemplei por quase uma hora. Só agora, mais de 20 anos depois, foi que mergulhei em suas águas e toquei aquele mistério. Não há mergulho parecido em nenhum lugar do planeta, descreve o ator de 35 anos.