SAMU em Santana do Ipanema está sem ambulância a 50 dias, alerta vereador



Por Redação Alagoas na Net
Vereador Roberto Oliveira cobrou providências de autoridades (Foto:Lucas Malta / AL na Net)
Vereador Roberto Oliveira cobrou providências de autoridades (Foto:Lucas Malta / AL na Net)

Alerta para situação aconteceu por parte de um vereador que também é funcionário do órgão de saúde.

O município de Santana do Ipanema está a cinqüenta dias sem nenhuma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

A informação foi dada na manhã desta quinta-feira (20) pelo vereador Roberto Oliveira (PV) em pronunciamento durante a sessão ordinária.

A maior cidade do Médio Sertão de Alagoas possui uma Base Descentralizada do SAMU desde 2010 e quando operava com 100% de funcionamento chegou a ter duas viaturas, uma USA (Unidade de Serviço Avançado) e uma UBS (Unidade Básica de Saúde).

Segundo informações apuradas pelo site, desde julho de 2015 a Base de Santana funciona somente com uma USA. Desde que esta foi enviada para conserto, tanto profissionais, quanto população ‘ficaram na mão’.

“[O município de São José da Tapera e Mata Grande, que o fluxo de ocorrências são menores, tem ambulâncias novas e Santana, que é uma cidade pólo, que tem um hospital de grande porte, não tem sequer uma ambulância, isso entristece o próprio trabalhador dali”, relatou o edil, que atua como condutor-socorrista do SAMU em Santana.

O parlamentar fez um requerimento para cobrar algumas autoridades sobre o assunto. “Solicito ao governador, ao secretário estadual de saúde, o deputado Isnaldo Bulhões Junior, o prefeito Isnaldo Bulhões e a secretária municipal de Saúde que se sensibilizem com esta questão”, disse ele na tribuna da Casa.

Sem carros, mas funciona

Em contato por telefone, a coordenadora da Base de Santana do Ipanema, Claudia Ribeiro confirmou a situação exposta pelo vereador e comentou que desde que foi designada para o comando, no mês de fevereiro, somente uma ambulância estava disponível. A dirigente também afirmou que foi em meados de março que o veículo deu problema e teve que ser levado para o conserto, do qual até o momento não voltou.

“A última informação que recebi [da coordenação superior] é que ainda não se resolveu por problemas de mecânica”, respondeu Claudia. Ela também faz questão de ressaltar que até tem recebido esforços da secretária municipal sobre o assunto. “Quando são necessários pequenos reparos e coisas de menor gravidade ela sempre ajuda, mas nesse caso a ambulância teve que ir a Maceió. A secretária também me informou que tem cobrado do secretário estadual”.

Perguntada como esse problema tem afetado as ocorrências que chegam à Base, a coordenadora indica que todas as equipes de plantão continuam trabalhando e cumprindo suas cargas horárias, mas que quando ocorre um chamado acaba tendo que recorrer a cidades vizinhas para solicitar o veículo. “Quando há atendimento ou pedido de transferência eles mandam a viatura e a equipe que está de plantão aqui é mobilizada”, explica Claudia.



Veja Mais