Reprodução F92922f7 19d5 4e54 9c47 9b42909169c6 Bruno Menezes e José Arnaldo, Vice e Prefeito respectivamente

O Diário Eletrônico da Justiça Eleitoral publicou nesta sexta-feira (10) a decisão do Juiz Eleitoral, Fausto Magno David Alves, que condenou o Prefeito: José Arnaldo Silva (PSD) e Vice-prefeito : Bruno Menezes (PRP) da cidade de Olivença, Sertão de Alagoas. A condenação foi devido a acusação de que o prefeito enquanto candidato em 2016 teria desviado água da Companhia de abastecimento de água do estado (CASAL)  e utilizava de dois caminhões-pipas para beneficiar eleitores e angariar votos. 

14 páginas e várias citações das provas levantadas pelo Ministério Público Eleitoral, foram analisadas pelo juiz que denominou de: “esquema de distribuição de água em troca de votos”. Duas pessoas  frequentadoras da propriedade do prefeito foram testemunhas e alegaram que o gestor desviava água da empresa de abastecimento. 

Na apresentação de provas, vídeos e imagens foram utilizados como provas do ílicito. A defesa do prefeito alegou que o abastecimento do veículo com a água da barragem ocorria de forma emergencial para levar água em Postos de Saúde e Escolas. O Juiz questinou com relação a um caderno apreendido. De acordo com informações, o caderno apreendido, servia para contablizar a compra de votos de acordo com o magistrado. 

“Tal conclusão salta aos olhos pelos diversos nomes lançados no referido caderno, com demonstrações nítidas de fins eleitoreiros”.Destacou ainda o Juiz Fausto. Apontando ainda para um grande esquema de distribuição de água em troca de votos. 

Os acusados do ilícito foram condenados a perda de seus mandatos e  por abuso de poder político e econômico, além de captação de sufrágio ilícita. De acordo com a decisão do juiz da 19ª Zona Eleitoral, Fausto Magno David Alves, os investigados também devem pagar uma multa R$ 63.840,00 e ficarem inelegíveis pelos próximos oito anos subsequentes ao dia das eleições do ano passado.

O Prefeito e vice devem recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Os advogados dos gestores deverão tentar suspender os efeitos imediatos da sentença para que prefeito e vice se mantenham no cargo até todo o decorrer do trâmite.