UOL 7607e2b8 02c6 47a1 9c16 421dc5aa3c12

Tenho ouvido de fontes diversas que há algumas linhas de investigação – não apenas uma – sobre o assassinato de Neguinho Boiadeiro, o crime que levou Alagoas ao noticiário nacional como “terra da pistolagem” com motivação política.

Como afirmou ontem, com sensatez, uma autoridade da Segurança Pública, nenhum resultado do inquérito policial que não aponte alguém da família Dantas como responsável pelo crime será aceito pela família da vítima.

Os Boiadeiros têm afirmado e reiterado a sua convicção sobre o assassinato do vereador de Batalha.

E daí?

Vai ficando cada vez mais claro que há uma necessidade da participação efetiva e oficial da Polícia Federal no caso – até mesmo para evitar desdobramentos que em nada contribuirão para a paz.

A Polícia Civil de Alagoas tem servidores qualificados e independentes para atuar no caso e apurar o homicídio ocorrido à luz do dia.

Mas a questão que está posta, por óbvio, vai além da competência profissional.

Não seria a primeira vez em que a PF atuaria em conjunto numa investigação de homicídio, por aqui – mas poucas vezes isso pareceu tão necessário.