Assessoria Sindpol 7accdd9e 753a 4008 a203 9bb36bd28bc1

A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) visitou o policial Joaquim Lins Neto, conhecido como Pirauá, para prestar apoio e disponibilizar serviços do setor jurídico, por meio do advogado Welton Roberto, caso o agente público julgue necessário.

O presidente do Sindpol, Ricardo Nazário, indagou Pirauá se ele era segurança do vereador Adelmo Rodrigues de Melo – o Neguinho do Boiadeiro. O policial civil respondeu que era um absurdo o que estão comentando em Alagoas.

Ele confirmou que estava com o vereador no momento do atentado. O policial civil Pirauá informou que  tem parentesco com Boiadeiro, possuindo envolvimento familiar, e não sendo um segurança como foi divulgado.

Pirauá também relatou que ação criminosa foi muito rápida, não dando tempo para ele ver o rosto de pistoleiros que assassinaram o vereador. “Quando entramos no carro, já foram atirando de longe”, disse.

O Sindpol destaca que o policial civil Pirauá tem 33 anos de polícia, já teve quatro acidentes vasculares cerebrais (AVC) e está com está 80% de perda da visão do olho esquerdo.

Ainda de acordo com o sindicato, o policial civil nunca foi envolvido em crimes. Depois do episódio em Batalha, na semana passada, Pirauá revelou que vai pedir aposentadoria da Polícia Civil.

O presidente do Sindpol informa que o Sindicato acredita nas instituições e nas investigações que devem ser sérias e com total lisura.

No caso das acusações em que a família de Boiadeiro cita nome de outro policial civil, o Sindpol também disponibiliza o setor jurídico, caso seja necessário. Para o Sindicato, quem acusa tem que apresentar subsídio concreto.

O Sindpol revelou, ainda, que acompanhará o desenrolar das investigações e dará todo apoio aos policiais civis, para evitar que um inocente seja preso por conta da pressão para elucidar o caso.