0d5f10c2 a861 4bd1 8231 367b26a6d501

O assassinato do vereador do município de Batalha, sertão alagoano, Adelmo Rodrigues de Melo, 61 anos, (PSD), mais conhecido como “Neguinho Boiadeiro” completa dois meses nesta terça-feira, 09. O parlamentar foi assassinado a tiros  por dois homens armados,  após sair de uma sessão na Câmara de Vereadores do município. 


Após o assassinato, uma força-tarefa foi montada pelo delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, designou uma comissão formada por 3 delegados para intensificar as investigações  trabalhos de apuração do crime. A comissão foi  formada pelos delegados Cícero Lima, gerente de Polícia Judiciária da Região 4, Rosivaldo Vilar e Gustavo Xavier  titular da 4ª Delegacia Regional de Arapiraca (4ª DRP).


As investigações completaram 60 dias, porém, o caso segue sem solução. Os delegados responsáveis pelas investigações, até o momento não apresentaram  nenhuma motivação do assassinato e nenhum suspeito  foi preso.

O assassinato. 


Adelmo Rodrigues de Melo, 61 anos, (PSD),  conhecido popularmente como  “Neguinho Boiadeiro” foi assassinado a tiros no início da tarde do dia 9 de novembro de 2017,  por dois homens armados,  quando saia da sessão que estava sendo realizada na Câmara de Vereadores do município.

De acordo com testemunhas, “Neguinho Boiadeiro” foi morto por dois  homens armados, que aguardavam o parlamentar sair da Câmara Municipal, onde participava de  uma sessão.


Ao se dirigir a seu veículo após deixar a Casa Legislativa, o vereador foi assassinado com vários tiros de arma de fogo pelos homens, que em seguida fugiram do local do crime em um veículo de características desconhecidas.


Após o assassinato, policiais militares lotados no 7º Batalhão de Polícia Militar no município de Santana do Ipanema,  reforçou o policiamento em Batalha, realizando buscas no sentido de identificar e prender os suspeitos de executar o vereador e ferir um policial civil identificado como Joaquim Pirauá  que no momento do crime estava na companhia “Neguinho Boiadeiro”.


Após o assassinato a Secretaria de Estado de Pública (SSP), enviou  dezenas de militares que integram o Batalhão de Operações Especiais (Bope)  para o município de Batalha. Os policiais  foram enviados de Maceió para o Sertão com o objetivo de garantir a tranquilidade no município, e garantir a  segurança das equipes  realizaram  os levantamentos iniciais da cena do crime.