Reprodução 21687f52 70a6 49ec b167 ba75d5a99bdc

O Fantástico, da emissora Rede Globo, exibiu na noite deste Domingo (06), uma reportagem especial no quadro ''Cadê o dinheiro que tava aqui?'' gravada no município de Mata Grande, Sertão de Alagoas. O esquema de corrupção envolvendo o ex-prefeito Jacob Brandão (PP), o irmão dele e o ex-presidente da câmara de vereadores Júlio Brandão (PP) e atual prefeito Erivaldo Mandu (PP) teria causado aos cofres públicos do pequeno município um prejuízo de R$ 12 milhões de reais.

Ao iniciar a reportagem especial, o Fantástico mostrou uma câmera escondida que viralizou na internet na qual mostra o atual prefeito Erivaldo pagando mensalinhos a vereadores. Após a repercussão desse vídeo no qual o MInistério Público de Alagoas (MP/AL) teve acesso, Erivaldo havia sido afastado do cargo e preso em dezembro de 2017 durante uma operação.

Em janeiro de 2018, prefeito de Mata Grande, Erivaldo de Melo Lima (PP), o Erivaldo Mandú (PP), e o vereador Joseval Antônio da Silva (PP), acusados de crimes contra a administração pública, foram soltos do presídio. Após uma decisão do Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), por 6 votos a 3, devolveu o mandato de prefeito do município de Mata Grande a Erivaldo de Melo Lima, mais conhecido como Erivaldo Mandu, o gestor voltou às atividades na sede da administração municipal nesta sexta-feira, 20 de abril. 

''Cadê o dinheiro que tava aqui?''

O repórter escreto esteve em Mata Grande procurando uma empresa denominada: Marcelo Calado dos Santos ou Albatroz segundo investigação do Ministério Publico Estadual de Alagoas (MPE/AL), o ex-prefeito Jacob Brandão lucrava com essa empresa cerca de R$ 40 à R$ 70 mil por mês. Na época em que Jacob era o prefeito, Erivaldo que hoje é o prefeito, era o vice-prefeito.

Alunos que arriscam suas vidas no transporte escolar precário em veículos D20. O Procurador-geral de justiça, Alfredo Gaspar em entrevista ao Fantástico declarou que a corrupção praticada pelo ex-gestor continua a ser praticada pelo atual. Conforme o MPE/AL, o orgão teria declarado não concordar com a decisão do atual prefeito Erivaldo Mandu está solto e exercendo o cargo e deverá recorrer da decisão do pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL).

Assista a reportagem completa abaixo: