Arquivo/ Cada Minuto 85dbee01 0d40 458f 9594 d7f5d16869b2 Mércia Boiadeiro

Familiares do vereador Adelmo Rodrigues de Melo, 61 anos, (PSD), conhecido popularmente como “Neguinho Boiadeiro”, morto em novembro de 2017 após sair de uma sessão da câmara em Batalha, Sertão de Alagoas, e de José Márcio Cavalcante, conhecido como “Baixinho Boiadeiro”, apontado pela polícia alagoana como autor do assassinato do vereador Tony Carlos Silva de Medeiros, o Tony Pretinho, ocorrido em dezembro do ano passado revelaram à reportagem do CadaMinuto, nesta terça-feira, dia 15, que temem pela sua segurança.

Após a operação policial ocorrida no dia 02 de maio, na cidade de Craíbas, que culminou com a prisão do ex-vereador José Anselmo Cavalcanti de Melo, conhecido como Preto Boiadeiro e seu motorista Dalbério José Menezes, “nunca mais tivemos paz”, revela a viúva de Neguinho, Mércia Boiadeiro.

A matriarca comentou que todos estão temerosos uma vez que na operação de busca pelo “Preto a polícia que chegou de forma descaracterizada deflagrou diversos disparos na fazenda e no carro, a sorte é que era blindado, senão hoje eu estaria chorando a morte do meu filho”, declarou ela.

Relatando que há seis meses ela e os filhos estão vivendo de forma improvisada na casa de amigos e parentes Mércia pediu ajuda das autoridades e revelou que a família pretende deixar o Estado já que aqui não tem encontrado segurança. “Somos uma família de agricultores e sempre vivemos do campo, mas desde o assassinato do meu marido somos tratados como cachorros e eu tenho medo de morrer”, desabafou a viúva.

“O pai dos meus filhos foi assassinado em plena luz do dia e ninguém fez nada, pelo contrário nos tratam como bandidos e isso é uma grande humilhação que estamos passando”, comentou Mércia ao se referir à falta de respostas sobre o silêncio que cerca a causas e a identidade dos mandantes e executores da morte do marido.

O caso

Adelmo Rodrigues de Melo, 61 anos, (PSD), conhecido popularmente como  “Neguinho Boiadeiro” foi assassinado a tiros no dia 9 de novembro de 2017,  quando saia da sessão que estava sendo realizada na Câmara de Vereadores do município.

De acordo com testemunhas, “Neguinho Boiadeiro” foi morto por homens armados, que aguardavam o parlamentar sair da sessão.

O vereador foi atingido por vários tiros de arma de fogo. Os atiradores fugiram do local do crime em um veículo de características desconhecidas.

Após o assassinato, policiais militares lotados no 7º Batalhão de Polícia Militar no município de Santana do Ipanema, reforçaram o policiamento em Batalha, realizando buscas no sentido de identificar e prender os suspeitos de executar o vereador e ferir o policial civil Joaquim Pirauá que no momento do crime estava na companhia “Neguinho Boiadeiro”.