Cortesia/Arquivo da Família 13867813479481 Maria Eduarda

O assassinato cruel de uma menina de 12 anos de idade chocou a população de Dois Riachos, na manhã desta quarta-feira (11), por volta das 7h. A menina Maria Eduarda Marques da Silva que é filha adotiva de comerciantes do município foi degolada e teve os cinco dedos de uma das mãos cortados a golpes de faca.

As primeiras informações levantadas pela polícia dão conta de que o pai da menina, Seu Manoel, como é conhecido, teria saído para trabalhar no mercadinho do qual é proprietário e deixado a filha com a mãe que instantes depois também saiu de casa para realizar compras no comércio da cidade.

Eduarda teria ficado dormindo em seu quarto, onde aguardava a chegada da empregada doméstica Cícera Maria Freitas que cuida da residência todos os dias. Mas, quando a trabalhadora chegou, acabou se deparando com a menina morta com várias facadas e os dedos espalhados pelo chão.

A empregada acionou a polícia que esteve no local para a realização dos primeiros levantamentos. Os policiais relatam que no imóvel que fica na Avenida Frei Damião de Bonzzano, no centro, não tinha sinais de arrombamento, o que leva a crer que a pessoa que cometeu o crime tivesse acesso à moradia.

Os vizinhos chegaram a levantar a hipótese de que algum ladrão estivesse monitorando a movimentação na residência e se aproveitado de algum momento de desatenção da mãe da criança, para pular o muro e se esconder dentro do imóvel, onde teria a intenção de praticar furtos, logo que a mulher saísse de casa.

Ainda segundo a suposição, pensando que estivesse sozinho dentro da residência, o bandido pode ter se dirigido ao quarto e se surpreendido com a garota que pode o ter o reconhecido, motivo pelo qual teria sido cruelmente assassinada.

As informações serão checadas pela polícia, já que o quarto da vítima estava todo revirado e o pai dela relata que um cofre de madeira com pelo menos R$ 1 mil foi levado pelo suposto ladrão. O caso é investigado pelo 37º Distrito Policial.

O corpo da menor foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), em Arapiraca.

Atualizado: Acrescentado nome da menina, correção da idade dela e mais informações sobre o caso, como por exemplo o furto de um cofre que estava na casa.