VÍDEO: Aranha: Mais de dez crimes são atribuídos ao traficante

  • wadson
  • 22/05/2009 09:18
  • Polícia
A Polícia Civil apresentou na manhã desta sexta-feira(22) na sede da Delegacia Geral, no bairro de Jacarecica, em Maceió, Ivanildo Nascimento Silva, 25,  conhecido como " Aranha". O delegado Ronilson Medeiros conseguiu prender o traficante ontem (21) em uma operação conjunta com policiais  da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), Departamento Especial de Investigação sobre o Crime Organizado (Deic) e do Serviço de Inteligência da Secretaria da Defesa Social do Estado, na cidade de Canhotinho no interior de Pernambuco.

De acordo com o delegado adjunto da Polícia Civil, José Edson, Aranha é acusado de ter cometido cerca de dez homicídios, distribuídos em vários distritos.  A "caça" ao traficante começou em 2007, mas culminou com a Operação Alerta, que atingiu as áreas do Bom Parto e Vergel, dominadas pelo traficante.

Aranha é considerado um dos braços mais fortes do traficante Charles Gomes de Barros, o “Charlão”, apontado pela polícia como chefe de uma das maiores organizações criminosas de Alagoas. Charlão que cumpre pena em um dos presídios de Maceió, segundo a polícia ainda comanda o tráfico de drogas em vários bairros da Capital.

O delegado Ronilson Medeiros, afirmou que "Aranha" já  havia trocado de apelido, passando a se chamar “Boy”.  Ainda segundo Medeiros, em 2006 Aranha mudou seu nome para João dos Santos.

Medeiros confirmou que Aranha já tinha sido preso no ano passado em uma operação chamada por ele de rotineira, mas que estranhamente conseguiu ser liberado poucas horas depois de detido. O delegado afirmou ainda que essa liberação vem sendo investigada pela Polícia Civil.

Durante coletiva, Aranha disse à impresa que estava morando no município de União dos Palmares e que o seu trabalho era comprar e revender carros. O traficante informou ainda que estava em Pernambuco, pois tinha ido levar uma namorada.

Ainda durante a coletiva o delegado Ronilson Medeiros, afirmou que tinha informações de que Aranha havia ido visitar alguns traficantes dentros dos presídios alagoanos, além de fazer várias ameaças a autoridades  em Alagoas.

Quem é Aranha

O nome verdadeiro de Aranha ou Boy também só será anunciado nessa sexta-feira. A afirmação foi do delegado Ronilson Medeiros, que confirmou que ele vinha se utilizando de três identidades falsas a fim de escapar da polícia.

Alguns dos nomes usados por ele era o de Ivanildo da Rocha Barros e João dos Santos.

Aranha começou a vida no crime como um dos "soldados" de Charles Gomes, o Charlão, que dominava o tráfico na parte alta da cidade. O grupo de Charlão é acusado de comandar uma quadrilha formada por motoqueiros responsáveis por vendas e cobranças de drogas além de execuções daqueles que se recusavam a pagar as dívidas do tráfico.

Em respeito ao novo chefe, vários comparsas passaram a usar uma tatuagem de aranha no braço, em um artifício usado pelas máfias que dominam o crime em outras partes do mundo.

Aranha passou então a colecionar ações "exitosas" de assaltos e principalmente execução dos inimigos e dos próprios comparsas que achavam que podiam sair do grupo.

A polícia investiga ainda a denúncia de que as ações do grupo de Aranha contam com a proteção de policiais civis e militares, agentes penitenciários, diretores de presídios e até delegados que recebem dinheiro e favores em troca de proteção e outros serviços.

O delegado da DRN confirmou que Aranha foi preso no ano passado em uma operação chamada por ele de rotineira, mas que estranhamente conseguiu ser liberado poucas horas depois de detido. O delegado afirmou ainda que essa liberação vem sendo investigada pela Polícia Civil.

Cronologia do crime

O traficante Aranha ou Boy sempre foi temido pelos moradores dos bairros do Bom Parto e do Vergel do Lago, em Maceió, onde ele viveu parte de sua adolescência e aos 19 anos já trabalhava para Charlão, fazendo a entrega de cigarros de maconha a grupos de viciados. Em dezembro de 2007, após uma “guerra” que culminou na morte de várias pessoas, o grupo passou a dominar o tráfico no Benedito Bentes e na Favela do Bolão.

Aranha é suspeito de executar o tenente Antonio Ângelo da Silva, no bairro do Clima Bom, periferia de Maceió. A morte do militar fez do traficante um dos criminosos mais procurados pela polícia.

Mas sua rede de proteção sempre funcionou, e apesar de sua ex-advogada Mary Anne, presa em uma operação da Policia Federal de Alagoas (PF), afirmar que ele tinha saído de Maceió para nunca mas voltar, a polícia tinha informações contrárias e vinha obtendo informações que ele estava morando no interior do Estado e só vinha para Maceió, em sua maioria nos finais de semana, geralmente à noite e retornando para onde morava durante a madrugada.

As informações dão conta de que ele morou cerca de três meses em São Luiz do Quitunde, cidade do litoral Norte de Alagoas, onde de lá comandaria a quadrilha. A localização de seu esconderijo levou a polícia a localizar e prender no complexo Benedito Bentes, em Maceió, alguns dos integrantes de seu bando.

Foram presos Manoel Santos, 20, José Santos (19), Josivaldo da Silva (24), Jadison Souza (19), Márcio da Silva (34), Eudes dos Santos (18) e o menor L.S (17).

Com a continuação das investigações a polícia prendeu Abdiel Calheiros de Lima, que era funcionário de uma empresa de segurança e transporte de valores e passava "informações" necessárias pra que a quadrilha realizasse alguns assaltos. Abdiel, na época era considerado um dos integrantes do bando mais próximo de Aranha, que refez o grupo e começou a atuar de forma ainda mais violenta
 
Aranha também é suspeito de planejar a morte do soldado da Polícia Militar, Jonatan Peres Brito, 43, lotado no 1º Batalhão de Polícia Militar, que teria participado da execução dos quatro irmãos no Bom Parto e um amigo dele e ex-PM, Wellington Procópio Silva. Os dois foram mortos a tiros no Santos Dumont.

Na tentativa de reduzir a força do traficante, o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado, núcleo do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE) transferiu o ex-aliado de Aranha, o Charlão, do Ciridião Durval onde ele vivia escoltado por “seguranças”, temendo ser morto a mando de Boy.

Entre os crimes que também são imputados a Aranha, estão a chacina do Bom Parto, onde quatro irmãos foram executados e as dos irmãos Edvan de Melo Almeida, 16 e Paulo Igor de Melo Almeida, 13, no mês passado, no bairro do Clima Bom. Edvan era acusado de ter seqüestrado e arrastado uma criança recém nascida no mês passado no bairro da Ponta Verde, orla de Maceió, durante o roubo de um carro que pertence à mãe da criança.

A morte de Edvan teria sido planejada, segundo a polícia, por dois motivos. O primeiro que após o fato envolvendo o bebê, a polícia descobriu que alguns dos envolvidos no caso, faziam parte da quadrilha de Aranha que por sua vez descobriu que Edvan tinha formado uma outra quadrilha e que vinha desviando parte da droga que Aranha determinava que ele vendesse.