Facebook/Reprodução 14466819344183 Larissa teria descoberto relacionamento entre Luccas e José Roberto ao ver mensagem no celular

A polícia acredita que o assassinato da universitária Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, encontrada morta na última terça-feira (3) em Extrema, no sul de Minas, teve motivação passional.

O empresário José Roberto dos Santos Freire, de 35 anos, confessou ser o mandante do crime por ser apaixonado pelo namorado da garota, o modelo Luccas Gamero, de 21 anos. Ele achava que Larissa o "atrapalhava". Freire teria contratado um casal de São Paulo, por R$ 1.000, para executar a garota. 

Segundo o empresário, Gamero queria esconder a relação amorosa entre os dosi, já que Larissa descobriu a traição em uma mensagem de celular. Desde o desaparecimento, o modelo deu várias entrevistas chorando e pedindo notícias e publicou pedidos de ajuda no Facebook. 

O namorado de Larissa prestou depoimento no fim da tarde desta quarta e negou ter participado do crime. Conforme o delegado Lídio Gomes, o jovem também afirmou que nunca teve nenhum envolvimento amoroso com José Roberto dos Santos, que era dono de uma loja de roupas para qual o modelo trabalhava.

O policial agora tenta identificar o casal contratado para executar a universitária. Um quinto suspeito de participar do crime também foi detido nesta quarta e vai ser ouvido na Delegacia de Extrema. Gamero está preso temporariamente no Presídio de Pouso Alegre, na mesma região.

Horas depois do corpo ter sido encontrado, na noite de terça-feira (3), um grupo de moradores da cidade depredou a loja do suspeito. A ação foi filmada por testemunhas, que saquearam o estabelecimento. No momento do ataque, o empresário prestava depoimento à Polícia Civil.

Larissa tinha sido vista pela última vez na rodoviária da cidade. Ela estudava Biomedicina em uma universidade em Bragança Paulista (SP), que fica a 34 km de Extrema.Todos os dias a estudante fazia o mesmo trajeto: ia de carro até a rodoviária e embarcava em um ônibus até o município paulista.

No entanto, na última sexta-feira (30), testemunhas teriam visto a universitária sendo abordada por um casal e colocada no banco de trás do próprio carro. Desde então, a jovem não foi mais vista por amigos ou familiares. Já o veículo foi encontrado abandonado no mesmo dia. A família levantou a suspeita de sequestro por engano.