Menino completa 5 anos com quase 58 quilos na Bahia

  • 30/03/2009 21:45
  • Brasil/Mundo
Michael comemorou 5 anos no sábado (21) (Foto: Divulgação/Assistência Social da Prefeitura de Cocos)

O menino Michael Dourado Ribeiro, 5 anos, que mora na cidade de Cocos, no interior da Bahia, está com 57,5 quilos. O peso é o equivalente a quase três vezes o ideal para uma criança da idade dele, que pode variar de 18 a 20 quilos.

Em abril de 2007, quando o garoto tinha 3 anos, ele chegou a pesar 50 quilos. Em tratamento, o menino conseguiu reduzir o peso em 14 quilos, mas não consegue mais emagrecer.

A festa de aniversário de 5 anos dele foi realizada no domingo (22), um dia após a data de nascimento. O bolo foi preparado por funcionários da Assistência Social da Prefeitura Municipal de Cocos.

Segundo a mãe dele, a lavradora Mireide Rodrigues Dourado, de 26 anos, o filho já passou por uma junta médica em São Paulo e por outros diversos hospitais na Bahia, mas até agora não sabe qual o diagnóstico que explique a obesidade do filho. "Ninguém consegue me dizer exatamente o que o meu filho tem para ficar tão gordo. Ele chegou a emagrecer um pouco, mas ele acaba engordando tudo de novo."

Mireide disse que teme pela saúde do filho, que passou os três primeiros anos praticamente sem andar. "Ele apenas de arrastava. Ficava em pé, mas logo sentava e ficava deitado. Hoje, as pernas dele são tortas por causa do peso, mas até que está conseguindo andar um pouco".

A mãe afirmou ainda que o filho adora brincar, mas tem poucos amigos. "Ele fica perto de casa, pois não consegue acompanhar o ritmo das outras crianças", disse a lavradora.

Cadeado na geladeira

Mireide disse que o filho come de tudo, mas se deixar, ele procura por comida o dia todo. "Já pensei em colocar cadeado na geladeira, pois ele fica querendo comer tudo e a toda hora. Quando ele ainda não conseguia andar, ele resmungava, chorava até darmos comida para ele. Agora, se não ficarmos ao lado dele, meu filho abre a geladeira e pega o que alcançar".

A lavradora afirmou que Michael tem dificuldades para dormir, principalmente quando chove. "A umidade faz ele ficar mais ofegante. Por isso ele fica mais tempo deitado no chão".

Ela disse que só o fato de ter de levar o filho para o médico já é um sacrifício, pois mora fora da zona urbana da cidade. "Como ele não consegue andar muito e eu não consigo suportar o peso dele, fica difícil sair de casa. Não tenho carrinho e tenho de carregá-lo nas costas."