Escola estadual promove gincana contra as drogas

  • eduardocardeal
  • 19/06/2009 04:57
  • Maceió

Os alunos da Escola Estadual Romeu de Avelar estão tendo a oportunidade de aprender mais sobre o perigo e os males provocados pelas drogas. Localizada na área do Distrito Industrial, no Tabuleiro do Martins — região onde existem várias “bocas-de-fumo” -, a escola escolheu o tema “Alunos bem informados e unidos contra as drogas” para a sua campanha estudantil, que acontece até o dia 26.

Durante a campanha, alunos e professores participam de uma série de atividades, que incluem palestras, concursos de redação e eslogans, além de exibições de vídeos. Nesta quinta-feira (18), o gerente de Ensino da Secretaria da Defesa Social, Ricardo Silva, proferiu uma palestra sobre as medidas legais aplicadas contra o usuário e o traficante de drogas.

“Falar das drogas é falar de algo que está bem próximo da gente e que nos afeta e incomoda toda a sociedade”, disse ele a estudantes da faixa etária de 12 a 17 anos. Geralmente, é nessa fase da vida que os jovens passam por um período de transformação.

“Nesta fase, os jovens querem experimentar novas emoções, viver tudo num só momento sem nenhuma responsabilidade”, comenta Ricardo Silva. Ele ressalta que é nessas horas que eles se tornam presas fáceis dos traficantes, que se aproximam da juventude para iniciar o processo de aliciamento.

Na palestra, o gerente de Ensino da Secretaria de Estado da Defesa Social abordou também os procedimentos policiais em relação ao usuário e para quem vende drogas, que foi um dos principais questionamentos feitos pelos alunos. Segundo ele, quem usa drogas deve ser considerado um doente. “Essa pessoa deve imediatamente receber algum tipo de ajuda ou tratamento psicológico”, ressaltou Ricardo Silva, acrescentando que o usuário não é mais penalizado criminalmente.

Mas em relação a quem se beneficia da venda de drogas, a legislação estabelece penas severas de prisão. Aproveitando a deixa, Ricardo Silva lembrou que o trabalho policial de combate às drogas é feito baseado em informações, visando prender traficantes.

“Qualquer pessoa pode denunciar pelo 190 a ação de traficantes em sua comunidade ou a existência de bocas-de-fumo; para fazer isso ninguém precisa se identificar”, disse, convocando os estudantes a sempre dizerem não às drogas.