Polícia Legislativa do Senado vai identificar responsável por perfil falso de Fernando Collor no Twitter

  • carlinhos
  • 21/06/2009 04:19
  • Tecnologia

Surgido em março de 2006, o Twitter é a nova febre entre as chamadas "redes sociais da internet" e trata-se de um serviço gratuito que pode ser desfrutado por qualquer internauta. Não requer convite e permite que você publique textos de até 140 caracteres no máximo, além de acompanhar as postagens feitas por outros usuários e tem sido muito utilizado para divulgar notícias.

O que acontece é que na última semana um perfil falso, supostamente criado pelo presidente do Senado José Sarney para se defender das denúncias sobre os escândalos do Senado, pegou boa parte da imprensa brasileira de surpresa e grandes veículos como O Globo e o RBS caíram na história.

Dois dias depois da notícia a Polícia Legislativa do Senado foi acionada, não apenas para identificar a pessoa que criou o perfil falso de Sarney no Twitter, mas também de outros senadores como o alagoano Fernando Collor

O Cadaminuto acessou a página falsa do ex-presidente e senador e descobriu que na verdade dois perfis já foram criados, um com o endereço https://twitter.com/fernandocollor onde o senador supostamente criticaria o ex-presidente do Senado e outro com o endereço https://twitter.com/collor que parece ser mais sério, mas é igualmente falso.

Ainda no Twitter, o Cadaminuto apurou que não é apenas o senador Collor que tem um perfil falso. Nem o governador Teotônio Vilela escapa da pirataria de perfis, e no endereço https://twitter.com/teovilela está postada uma mensagem atribuída a ele e até comentários falsos de um suposto senador Renan.

No caso da senadora Heloisa Helena, uma pessoa adquiriu o endereço https://twitter.com/heloisahelena e tal qual o início da Internet colocou à venda o "domínio".

A legislação sobre crimes virtuais no Brasil ainda é muito frágil, mas várias decisões este ano já retiraram da WEB perfis falsos no Orkut e no Twitter. Em relação a punição, ainda são raros os casos que os responsáveis pela crição de falsos perfis acabam punidos.