OAB pede que MP investigue supostas regalias dadas a Ângela Garrote em presídio

  • gilcacinara
  • 22/06/2009 10:20
  • Maceió
O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Alagoas (OAB/AL), Gilberto Irineu, solicitou ao procurador-geral do Ministério Público, Eduardo Tavares, que abra investigação para apurar denúncias de tratamento especial com supostas regalias que estariam sendo dadas à ex-prefeita do município de Estrela de Alagoas, Ângela Maria de Jesus Garrote, que está presa no Presídio Santa Luzia, conforme matéria publicada no Jornal Extra, de 19 a 25 de junho, na edição de nº 73.

O pedido para que sejam adotadas as providências quanto ao caso foi feito no final da manhã de hoje.

Irineu enviou a solicitação por meio de ofício, no qual foi anexa a cópia da notícia contendo as denúncias contra Ângela Garrote.

A reportagem denuncia que a ex-prefeita está sendo tratada como presa especial, recebendo visitas a qualquer hora do dia, contrariando as datas determinadas pela administração do presídio.

A matéria conta ainda que Ângela Garrote além de ser temida e respeitada pela direção da unidade prisional,  ainda exige que seus pedidos sejam atendidos.  

Outro fato que chama atenção na matéria publicada pelo periódico é que a reeducanda teria o direito de acompanhar até o pátio externo do presídio as pessoas que vão visitá-la, além de receber comidas de restaurantes de Maceió.

“Nesse contexto, venho através deste ofício fazer ciência e solicitar, no sentido de certificar-se dessas supostas denúncias, estabelecer os procedimentos investigatórios pertinentes ao caso, redirecionar os supostos excessos e garantir o cumprimento da Lei”, solicita Irineu no ofício.