Reprodução/ G1 Globo

A compra e venda de animais dos pequenos e médios pecuaristas que aquece a economia em Dois Riachos, Sertão de Alagoas, voltou ao normal funcionamento, nesta quarta-feira (17), após a prefeitura do município realizar as adequações exigidas pela Agência de Defesa e Inspeção de Alagoas (Adeal). Na semana passada, a Agência Agropecuária foi forçada a interditar o local, devido ao não cumprimento das simplórias exigências feitas à prefeitura através de notificações relatando as precárias condições encontradas no espaço.

Semanalmente, às quartas-feiras, milhares de pessoas passam pelo local. Garrotes, ovelhas, bois, novilhas, bezerros, vacas, cabritos, cavalos, burros, entre outros são comercializados na feira. Além da compra e venda dos animais, durante o evento, a Adeal disponibiliza servidores para, além da fiscalização do espaço, realizar a emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), dando comodidade ao produtor.

A prefeitura de Dois Riachos foi informada da interdição através de diversos ofícios, que se arrastavam desde o ano de 2015, cobrando melhores condições de trabalho para os servidores da Adeal e para os produtores que frequentam o evento. Após diversas prorrogações feitas pelo órgão, o município se comprometeu a tomar medidas para as devidas melhorias no local, que estava insustentável, e garantiu que outras já estariam sendo providenciadas. Devido ao não cumprimento, a situação ficou inconsistente e a Agência Agropecuária interditou a feira de animais.

Pessoalmente, o diretor-presidente Carlos Mendonça Neto, junto aos fiscais da Adeal, esteve no local e verificou o espaço, constatando que as mudanças exigidas pela Adeal foram realizadas. A Adeal solicitou à prefeitura uma sala exclusiva para os servidores, a presença semanal do médico veterinário do município e Responsável Técnico, e que os cochos, onde os animais bebem água, fossem consertados, prezando também pelo bem estar animal.

“Pedimos pouco, apenas uma regularização de pequenos pontos, pois nossos fiscais agropecuários estavam vivenciando uma situação inadmissível, e, enquanto presidente da Adeal, não poderia permitir que os servidores deste órgão fossem tratados com total falta de respeito e muito menos que trabalhem em condições indignas e insalubres”, destacou Carlos Mendonça Neto.

Reconhecendo a importância da feira para a economia local, o diretor-presidente explicou que a interdição foi necessária para o evento continuar sendo uma das maiores feiras de Alagoas. 

Durante a visita ao local, nesta quarta, um novo veículo foi entregue aos responsáveis pela Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV) da região, que trará segurança e comodidade no trabalho dos servidores da Adeal.