Assessoria Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Presidente do Sindpol em Alagoas

A Polícia Civil de Alagoas decidiu pela interrupção parcial das atividades que só devem ser retomadas no sábado (29), a partir das 8h, quando entra em funcionamento a Operação #Devagar. Até o momento, o governo estadual não atendeu aos pleitos dos policiais e por causa disso foi iniciada ontem (26), uma nova paralisação de 72h.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol/AL) Ricardo Nazário durante a paralisação alguns serviços serão interrompidos, como: o registro de Boletim de Ocorrência (B.O), Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), o  cumprimento de mandados de busca e apreensão, mandados de prisão e também não irão fazer os procedimentos padrão nos locais onde aconteçam crimes.

Atividades como registro de flagrante de delito e audiências de custódia serão feitas.

Nazário disse que “o governador Renan Filho fechou o canal de negociação, demonstrando uma atitude impensável e intransigente de não querer dialogar com a categoria”.

O presidente ainda destacou que após a paralisação da Polícia Civil houve um aumento dos homicídios, principalmente durante o carnaval. 

Na sexta-feira (21), o Sindpol  se reuniu com o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Tutmés Airan, apelando pela sua intervenção na tentativa de abrir o canal de negociação com o Governo do Estado.

Buscando retomar a negociação, o desembargador ligou imediatamente para o secretário do Gabinete Civil, Fábio Farias, o qual informou que, nessa quinta-feira (27), retornaria a ligação para o presidente do Tribunal de Justiça com o objetivo de realizar uma reunião a fim de tratar da pauta dos policiais civis.