Cortesia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Prefeito Nem

O prefeito Carlos André dos Anjos, o Nem (PR), de Olho d'Água das Flores teve recurso negado pela Justiça estadual. Alvo da Operação Primavera, realizada em 2009, o gestor e parte de seu secretariado são acusados pelo Ministério Público do Estado de Alagoas (MP/AL) de desviar recursos por meio de fraudes em licitações.

'Nem' havia entrado com um agravo de instrumento na 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas (TJ/AL) para suspender a ação que corre no juizado de primeira instância. Dentre várias argumentações, os advogados do prefeito consideravam que as provas apresentadas pelo MP/AL possuiam falhas e que a ação não explicava como teria sido a participação de cada um dos acusados de improbidade.

Mas a 1ª Câmara Criminal do TJ/AL negou a defesa apresentada pelo prefeito. O caso foi relatado pelo desembargador Washington Luiz. Para os magistrados da Corte, apesar das falhas apresentadas pelos advogados de Nem na denúncia oferecida pelo MP/AL, o processo judicial deve seguir sem mais problemas.

A defesa não deve recorrer da decisão. “Talvez a gente não recorra. Ainda vamos avaliar, mas o mais provável é que a gente não recorra”, declara o advogado Rodrigo Costa, explicando que o acórdão dificilmente seria revertido. Na Comarca de Olho d'Água das Flores, no entanto, os trabalhos continuam normalmente. “Já apresentamos a defesa. Agora estamos aguardando os trâmites”, pontua.

OPERAÇÃO

A ação do MP/AL é resultado da Operação Primavera, deflagrada em 2009. A Polícia Civil cumpriu onze mandados de prisão. Além da primeira dama, o procurador, dois secretários e servidores do município foram presos.