JG Notícias Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Prefeito Antonio de Araújo Barros

A gestão do atual prefeito, Antonio de Araújo Barros, está desde o início de janeiro com técnicos dentro da sala, onde estão todas as documentações da prefeitura, das gestões anteriores, os profissionais trabalham para verificar cada documento, buscando assim sua veracidade, segundo o prefeito, tudo isso para que os responsáveis por supostos desmandos e irregularidades paguem pelos seus erros.

No início do mês, Batista teria divulgado cópias de empenho, cheque e nota fiscal, segundo ele, que comprovam desvio de dinheiro público, o que caracteriza improbidade administrativa, cometida pelo gestor da época, isso se tratando de Benedito de Pontes Santos, conhecido como Bida, ele foi prefeito interino por dois anos, e segundo documentações que tivemos acesso pelo prefeito atual, o agora vereador, quando prefeito teria comprado material para escritório com dinheiro da prefeitura de Joaquim Gomes, sendo que, para uso da cidade de Mata Grande.

A acusação é séria e caso seja constato essa irregularidade o mandato do vereador fica ameaçado, explica Batista, ele diz que vai denunciar ao GECOC, que trabalha com a missão de fiscalizar esse tipo de crime, para entender melhor o que supostamente teria acontecido na época, vamos detalhar o caso:

Baseado em documentos como o cheque em que o prefeito apresentou a redação do jgnotícias, aparece no cheque do Banco do Brasil, um valor de R$ 2.096,31 (Dois mil e noventa e seis reais e trinta e um centavos) ele está nominal a empresa de móveis para escritório, "Rumo Comercial Ltda" com data de compensação de 16 de junho de 2009, período em que Bida era prefeito, observe ainda que está assinado por Benedito de Pontes Santos e a secretária de Ação Social, Lucimery de Almeida Lima.

Quanto a assinatura de Lucimery, é que, o valor pago, foi de uma conta do IGD - Índice de Gestão Descentralizada do programa Bolsa Família, que deveria ser gasto com ações que beneficiam pessoas carentes do município, como Lucimery era secretária na época, ela assinou o cheque que poderá responder junto com o prefeito , caso se confirme essas irregularidades.

Além do cheque, Toinho Batista mostrou a nossa reportagem o empenho em que bate com os mesmo valores do cheque, inclusive logo abaixo, observe que mesmo com a imagem não muito nítida, da para perceber que esse dinheiro foi gasto com compra de bebedouro, cadeira e outros dois itens, até ai tudo bem, o pior é ver no recibo abaixo, que tudo isso foi comprado para a cidade de Mata Grande, mesmo sendo o dinheiro do Bolsa Família de Joaquim Gomes. Explica Batista.

Olhe no empenho, que a data logo em cima, é semelhante a data em que o cheque foi pago, 16 de junho de 2009, a empresa também é igual o que aparece no cheque.

Agora observe o recibo, veja que a empresa rumo Comercial Ltda, recebeu a quantia referente a compra de material para escritório conforme nota fiscal nº 000540, mas veja logo no início do recibo, quando mostra que esse valor foi recebido da prefeitura de Mata Grande, quando na verdade o cheque é da prefeitura de Joaquim Gomes, o empenho saiu da prefeitura de Joaquim Gomes, o que poderá caracterizar improbidade administrativa, caso seja apurado e constatado a veracidade do documento, Bida poderá responder pelo crime e até perder os direitos político, é o que diz o prefeito Toinho Batista.

Ele ainda acusa Bida de ter usado nota fiscal fria, isso porque, ao perceber na nota, a data de sua emissão não confere, uma vez que o prazo de uso da nota fiscal já teria expirado.

Essa denúncia foi feita pelo próprio prefeito, o site deixa aqui aberto o espaço para que as pessoas citadas na matéria tenha direito de resposta, se defendendo ou não das acusações feita ao seu nome, enquanto preparava a matéria tentamos contato com o vereador Bida e a ex-secretária Lucimery, mas não obtivemos êxito.