Após 3 dias, polícia ainda procura acusado de matar ex-mulher em SP

  • 25/03/2009 06:13
  • Polícia
Três dias após a morte de Ana Cláudia Silva e Melo, de 18 anos, a polícia ainda procura o ex-marido dela, acusado de cometer o crime no domingo (22). Na terça-feira (24), o Ministério Público denunciou à Justiça o homem de 28 anos pela morte de Ana Cláudia e por fugir com o filho do casal, de 1 ano e 8 meses.

O Ministério Público também pediu a prisão preventiva do homem. Na tarde de terça, a polícia recebeu uma denúncia de que ele estaria escondido com a criança em uma cidade da Bahia. O delegado responsável pelo caso não divulgou o nome da cidade para não atrapalhar as investigações e pediu apoio da polícia baiana.

O homem e o filho estão desaparecidos desde a noite de domingo. Eles foram vistos pela última vez saindo do prédio onde Ana Cláudia morava e foi encontrada morta. Pouco antes das 20h, os três chegam ao local, depois de assistir ao jogo Corinthians e Santos, no Pacaembu. O homem levava o filho nos ombros.

Os três pegaram o elevador e desceram no terceiro andar. Trinta e nove minutos depois, as câmeras mostram o suspeito tomando o elevador com o filho e deixando o prédio. Ele veste uma camisa diferente da que usava quando chegou.

O corpo de Ana Cláudia foi encontrado no apartamento com ferimentos feitos a faca no pescoço e no abdome. O processo que trata da guarda da criança corre em segredo de Justiça.

Para a juíza Maria Lúcia Pizzoti Mendes, que já tratou de vários processos semelhantes, Ana Cláudia se precipitou ao permitir a reaproximação do ex-marido. “A passionalidade, como eu disse a você, é muito instável. Hoje, o casal pode estar bem. Por causa de uma situação de ciúme, amanhã tudo vai por água abaixo. Então, talvez tenha sido uma situação como esta. Se ela se sentiu confortável, ela abriu mão da proteção judicial que esse juiz deu. E é uma pena, porque isso poderia ter evitado essa tragédia”, avalia.

Para o delegado responsável, o mais importante agora é encontrar a criança. “A prioridade é recuperar essa criança sã e salva, e depois conseguir a prisão dele”, afirmou o delegado Marcos Carneiro.