0aee1e92 06f3 4436 8151 86d03820a24a

Apenas 27 anos e um extenso currículo recheado de títulos e premiações individuais. A alagoana da cidade de Dois Riachos, Marta Vieira da Silva, conhecida mundialmente apenas pelo primeiro nome, acumula em 14 anos de futebol, títulos pan-americanos e pratas olímpicas e mundial com a seleção brasileira, títulos nacionais pelo Los Angeles Sol dos Estados Unidos, Umea e Tyreso da Suécia e principalmente, a marca significativa de cinco prêmios de melhor jogadora do mundo pela Federação Internacional de Futebol e Associados (FIFA), fato que nenhum atleta do futebol, incluindo masculino, não conseguiu atingir.

Uma carreira em plena atividade cheia de títulos e premiações expressivas, merecia à jogadora alagoana, uma homenagem digna das conquistas nacionais e mundiais. Apesar da demora, o Governo do Estado de Alagoas decidiu em 2010 iniciar o projeto para construção de um memorial que homenageia a atleta da terra.

Um ano depois, exatamente no dia 13 de maio de 2011, durante visita da seleção brasileira feminina que faria um amistoso contra o Chile no Rei Pelé, a jogadora foi presença durante o lançamento da pedra fundamental no estacionamento da maior praça esportiva do Estado de Alagoas.

O memorial tinha e tem como certo, a construção de um local que terá forma e desenho de uma bola de futebol e que pode ser visto a distância por quem passar pela Avenida Siqueira Campos, a principal do bairro do Trapiche da Barra, contendo além de imagens da jogadora por todos os lados, uniformes, chuteiras, alguns prêmios e réplicas de títulos conquistados pela atleta.

Criava-se ali, a expectativa do povo alagoano ficar mais perto da jogadora e dos seus feitos, tendo em vista que a presença física é caso raro, já que a jogadora construiu a sua carreira no futebol internacional e atualmente vive na Suécia.

Mas, o tempo passou e em outubro de 2013, a obra que deveria estar pronta não passa de apenas algumas vigas, areia e tapumes espalhados pelo estacionamento do Rei Pelé, se confundindo entre as críticas de alguns e o esquecimento de outros, uma vez que o tema não foi explorado pelos próprios autores, o governo do Estado.

* Confira a íntegra da reportagem do Jornal CadaMinuto Press que já está nas bancas