Gecoc pede transferência de 13 presos perigosos

  • annaclaudia
  • 29/04/2009 17:03
  • Maceió
O Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) pediu nesta quarta-feira (29) aos juízes da 17ª Vara Criminal que autorizem a transferência de 13 reeducandos que estão no sistema prisional alagoano para presídios federais em outros Estados. Segundo os promotores Alfredo Gaspar de Mendonça, Edelzito Andrade e Hamilton Carneiro, a existência de organizações criminosas atuando dentro do sistema é uma das principais motivações para a retirada dos presos. O pedido é feito com base na resolução 557/07 do Conselho de Justiça Federal que regulamenta os procedimentos de inclusão e de transferência de pessoas presas para unidades do Sistema Penitenciário Federal.

Outro ponto de destaque é o elevado número de telefones celulares e armas de fogo que estão dentro dos presídios Baldomero Cavalcanti e Cyridião Durval. As mortes recentes, as fugas e a corrupção generalizada dentro do sistema também serviram para embasar o pedido do Gecoc. A medida de transferência é idêntica a que visa tirar de Alagoas o traficante Osvaldo Correia de Souza, o “Coroa” - que disputa pontos de venda de droga até mesmo no sistema prisional. Sua saída vem sendo solicitada desde o mês de março.

Na nova lista de transferência estão os 13 nomes considerados mais perigosos dentro do sistema. São traficantes, assaltantes, sequestradores e assassinos de facções criminosas que dominam o mundo do crime dentro e fora das cadeias alagoanas. O Gecoc não autorizou a divulgação dos nomes dos reeducandos.

Segundo os promotores, a medida visa aliviar o absoluto descontrole dentro dos presídios, bem como reconstituir a ordem e o comando dentro das unidades prisionais. “Essa é uma decisão que visa prevenir problemas no futuro. Não queremos que a sociedade permaneça como refém destes grupos que usam das brechas no sistema para dominar o mundo do crime de dentro da cadeia. Acreditamos que essa transferência vai desconstituir essas organizações criminosas”, alertaram os promotores.