Alagoas é o terceiro polo gastronômico do Nordeste

  • master
  • 09/05/2009 05:59
  • Maceió

A Capital alagoana se consolida como terceiro polo gastronômico do Nordeste, acolhendo desde a culinária típica do litoral e interior à internacional. As águas continuam tão azul-piscina quanto naquela velha composição alagoana. Mas, ainda que seja falta grave, já é possivel ir à Maceió tendo o mar como motivo secundário.

Maceió virou um sólido e prazeroso destino comestível. Terceiro polo gastronômico do Nordeste, logo atrás do Recife e de Salvador, a cidade é pura felicidade para o paladar. Conta com alguns endereços são tão bons quanto obrigatórios. Conheça alguns deles indicado pelo jornalista Bruno Albertin, do Jornal do Commercio de Pernambuco que aqui esteve à convite do Nordeste Culinária.

Bruno indicou nove locais que deverão ser parada obrigatória para os turistas conhecerem, entre eles, estão:

Picuí, o chefe Wanderson Medeiros no trato rigoroso do ingrediente que batiza a casa seu grande trunfo - ele mesmo matura parcialmente, para evitar ressecamento, a carne vinda do Sertão paraibano do Picuí.

Wanchako, segundo ele, é o melhor restaurante peruano do Brasil, catedral do que se chama cozinha nikkey: a fusão das cozinhas andina e japonesa.

Divina Gula, este lugar só poderia ser chamado de catedral. O chef André Generoso trouxe na bagagem o histórico de intimidade com a cozinha da família mineira.

A novidade é Le Sururu, restaurante de cinco estrelas chamosinho do Ritz Lagoa da Anta. A casa é comandada pelo italiano Franco Borelli, que procura adpatar os ingredientes locais às técnicas clássicas.

Akuaba, o casal boa praça Vera e Oswaldo Moreira comanda a casa conferindo um toque ainda mais africano à cozinha tradicional baiana.

Le Corbu, comandada pelo ex-piloto do famoso empresário PC Farias, Jorge Bandeira, hoje afcionado por cozinha a ponto de importar do Japão uma peneira de crina de cavalo para deixar mais delicado e homogênio seu purê de mandioca.

Armazém Guimarães, aponta Bruno, de ambiente retrô, oferece pizzas de média espessura.

Oca, sob a batura dos antigos proprietários olindenses Goya, mantém as tapiocas delicadas, como a de sururu e peixes com recheios como caranguejo ou camarão em folha de bananeira.

E afinal, o Canto da Boca. Se cansou de dendê do Akuaba? Corra para lá. A casa serve o melhor (e única) moqueca capixaba da cidade.