PortalRealeza 1318079588acidenteaviao

Às 17h40 desta sexta-feira(07/10), o Corpo de Bombeiros de Manhuaçu foi acionado por funcionários do Aeroporto de Santo Amaro de Minas, em Manhuaçu, para atenderem a ocorrência de um acidente com uma aeronave que se preparava para aterrissar na pista. O avião teve problemas técnicos e ultrapassou os limites da pista, batendo na cerca que delimita o aeroporto e caindo em uma depressão de três metros de profundidade, vindo a parar em uma lavoura de café. A aeronave avançou cerca de trinta metros além da pista.

O avião Cessna/Citation II prefixo PT-LJJ trazia o cantor Eduardo Costa, que tinha um show programado para acontecer na cidade de Simonésia nesta sexta.

De acordo com o piloto João César Ottoni Barbosa, o acidente foi causado por uma falha do reverso de empuxo da turbina do avião, que é quando a turbina gera um fluxo de ar para frente, e não para trás, com o objetivo de reduzir a velocidade da aeronave. “Ao tocar o chão e acionar o reverso, detectamos o problema. Se tentássemos arremeter o avião, as consequências seriam mais graves, pois a aeronave não conseguiria ganhar altura. Tentamos frear, mas a pista acabou antes de conseguirmos parar”, explicou o piloto.

Havia cinco pessoas no avião. O cantor Eduardo Costa, sua assessora e três tripulantes. O cantor foi socorrido pelos promotores do show onde ele se apresentaria e que estavam no aeroporto aguardando sua chegada. Ele foi levado para a cidade de Manhuaçu, reclamando de dores no pulso esquerdo e no rosto.

De acordo com o Sargento Cleber do Corpo de Bombeiros, que estava à frente da equipe de resgate, as informações que constam é que nenhum dos ocupantes teve ferimentos graves. “Ao chegarmos ao local, nós fomos informados por testemunhas que havia cinco ocupantes na aeronave. Quatro deles, sendo três tripulantes e uma assessora do cantor não sofreram ferimentos, apenas o Eduardo Costa que teve um trauma de face, com sangramento no nariz e suspeita de fratura no membro superior esquerdo”, disse o Sargento.

Ainda de acordo com o Sargento Cleber, após avaliação prévia, constataram que não há vazamento de combustível, não havendo risco de explosão, mas toda a área foi interditada, aguardando a vinda da perícia da Aeronáutica.