Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Uma colisão entre um caminhão e uma moto resultou na morte de duas pessoas e deixou outra gravemente ferida, na manhã desta segunda-feira (29), por volta das 11h, no cruzamento da AL-140 com a BR-423, no povoado Leobino, em Inhapi. Um menino de quatro anos de idade e a mãe dele, são os mortos.

O condutor da moto é a vítima que sobreviveu, ele era marido da mulher e pai do menino que morreram. Todos eles trafegavam pela rodovia federal em uma motocicleta Honda, de cor prata e placa HZS-5931/Laranjeiras – SE, quando foram atingidos pelo caminhão Mercedes Benz, de cor branca e sem placa que seguia logo atrás deles.

Segundo testemunhas, o acidente aconteceu no momento em que o motociclista que foi identificado como Ricardo Queiroz de Andrade, 24, reduziu para passar numa lombada eletrônica. O caminhoneiro que fugiu do local não teria diminuído a velocidade e acabou provocando o desastre.

O impacto da colisão que atingiu a traseira da moto fez com que o veículo fosse arremessado para fora da pista junto com os passageiros. A criança ficou embaixo do caminhão e teve a cabeça esmagada pelos pneus do veículo de carga que transportava outro, já a mulher que foi identificada apenas como Keliane, 24, ficou gravemente ferida e ainda foi socorrida com vida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local, durante os primeiros socorros.

O condutor da moto também foi socorrido pelo Samu, sendo levado para o hospital regional Clodolfo Rodrigues de Melo, em Santana do Ipanema. O estado de saúde dele é considerado grave e oferece risco de morte.

Os moradores do povoado se revoltaram com a tragédia e ameaçam fechar a rodovia em protesto para que além da lombada eletrônica que já existe no local sejam construídas pelo menos outras duas lombadas comuns.

As vítimas residem no Sítio Cansanção e estariam indo para a feira livre da cidade, no momento do acidente. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca.

Colaboração: Natecio Fagner