O que mais a louca quer?

Desde que foi coroada, há muito tempo, ela faz gato e sapato do reinado. Ela pensa que a coroa é um falo gigantesco, essa pobre desvairada, essa aspirante a deus. Ela quer as joias várias e os luxos inesgotáveis da vida de monarca? Ela tem. Os banquetes fartos, as libações faustosas? Ela os tem. E o que mais ela deseja?

O cortejo diário, os bobos da corte, as peças de teatro, as missas, os malabarismos e os saraus; diariamente as efusões de beleza do povo quase sem nenhuma para si próprio mas que para ela tudo mostra e tudo dá; diariamente o florilégio dos mais belos pensamentos, os mais inocentes regozijos e lamentos de toda a gente, todos feitos passeata para os olhos da monarca – e o que mais ela deseja?

A rainha violenta, inclemente, caprichosa, a rainha desejosa, eternamente desejosa – de que mais?

A rainha mentecapta não pensa nunca em caminhar com os próprios pés? Não pensa nunca em não usar dos seus subordinados como muletas para os seus aleijões? A rainha, além de louca, não vê?, não vê que a obediência dos seus vassalos é ocasional, que o brilho da sua coroa é passageiro?

*É escritor, compositor, cantor e músico.